<< voltar

Número: 069
Data: 20/03/2013
Título: O USO DO ARTIGO DEFINIDO (3) + PEDIR

          - Hoje de manhã (o) meu carro custou a pegar.
É indiferente o emprego do artigo antes de possessivos acompanhados de substantivos.


          - Aquele carro que acharam é (o) meu.
Em função substantiva (isto é, no lugar do substantivo), o possessivo tem um sentido quando acompanhado de artigo ("o meu" = o único que possuo), e outro sentido sem o artigo (“é meu” denota uma simples ideia de posse).


          - Quem não tem suas dificuldades?
Dispensa o artigo o pronome possessivo usado em expressões com o valor de “alguns”.


          - Vem cá, meu amor.
Quando o possessivo faz parte de um vocativo, não admite o artigo. 


          - Dou em meu poder seu ofício de 15 de setembro.
O artigo é omitido com o possessivo em certas expressões feitas: em nosso poder, a seu bel-prazer, por minha vontade, a seu turno, a meu modo, em meu nome, a seu pedido.


          - Sal, pimenta e açúcar devem ser usados em quantidades moderadas.
Omite-se o artigo antes de palavras de sentido geral, indeterminado.


          - Você tem razão em não dar confiança ao rapaz, pois ele só disse mentiras.
Não se usa o artigo antes de substantivos abstratos, em expressões que não contêm nenhuma determinação.


          - Apresentou-se na festa com o marido e o irmão.
Normalmente se repete o artigo para evitar ambiguidade, pois sem ele os dois substantivos podem designar o mesmo ser. Não seria o caso acima, porque irmãos não se casam, mas fica diferente agora: Admiro o meu irmão e amigo (uma só pessoa). Admiro o meu irmão e o meu amigo (duas pessoas).


          - Já não se estuda Latim nas escolas.
Dispensam o artigo as matérias de estudo empregadas com os verbos ensinar, aprender, estudar e equivalentes.


REGÊNCIA DO VERBO PEDIR

 

A professora pediu silêncio aos alunos.

Ela pediu que fizéssemos silêncio.

A professora pediu à diretora para se ausentar mais cedo.


Numa frase como “a professora pediu para que fizéssemos silêncio”, de acordo com a gramática normativa, a preposição "para" não se justifica; ela só deve ser usada com o verbo pedir quando está implícita a palavra permissão ou licença. Portanto, “ela não gostou quando lhe pedi para sair da sala” significa “quando lhe pedi [permissão] para [eu] sair”. Se fosse para a professora sair, a frase seria diferente: “quando lhe pedi que [ela] saísse da sala”.


Pedi para o chefe assinar os papéis. [informal]
Pedi que o chefe assinasse os papéis. [formal]


Embora na linguagem coloquial se use a construção “Ela pediu para eu sair”, a forma gramatical requer o uso do subjuntivo: “Ela pediu que eu saísse”.


download PDF

<< voltar

Instituto Euclides da Cunha
Luiz Fernando de Queiroz, diretor
Rua Marechal Deodoro, 235 cj. 1204 - CEP 80020-907 - Curitiba - PR
Fone (41) 3223.6543 - linguabrasil@linguabrasil.com.br