<< voltar

Número: 280
Data: 26/04/2017
Título: OBJETO DIRETO PREPOSICIONADO NO CÓDIGO CIVIL

 --- Salvo melhor juízo, parece-me equivocada a redação do art. 229, inc. III, do novo Código Civil, que dispõe: “Art. 229. Ninguém pode ser obrigado a depor sobre fato: 

                    I - a cujo respeito, por estado ou profissão, deva guardar segredo;
                    II - a que não possa responder sem desonra própria, de seu cônjuge, parente em grau sucessível, ou amigo íntimo;
                    III - que o exponha, ou ÀS pessoas referidas no inciso antecedente, a perigo de vida, de demanda, ou de dano patrimonial imediato. Ruy, Niterói/RJ
 
Nesse caso não houve equívoco, não: a redação do inciso III acima está correta. 
 
O leitor se refere ao fato de o verbo expor ser transitivo direto em relação a pessoa – o que está visível no início da frase [que o exponha] com o pronome oblíquo “o” – e no entanto aparecer um “às” diante de “pessoas referidas” quando se sabe que a preposição denota um objeto indireto. Se naquela oração se repetisse o verbo, o complemento pessoas não admitiria preposição: “que o exponha, ou que exponha as pessoas referidas no inciso antecedente, a perigo de vida etc.” Mas no inc. III o que temos é um objeto direto preposicionado, possibilidade prevista na língua portuguesa para algumas situações. Explico.
 
Sabemos que o objeto direto caracteriza-se por não vir preposicionado. Contudo, há exceções. Observemos, por exemplo, a frase O benefício atingiu os trabalhadores – entre o verbo e o objeto não há preposição, a qual todavia aparece nas construções a seguir:
 
O benefício atingiu a todos.
 
O benefício atingiu a quem?
 
O benefício atingiu a ambos os herdeiros.
 
O benefício atingiu a nós e não a vocês.
 
O benefício atingiu somente a José.
 
Tais frases estão corretas? Sim. Por uma questão de eufonia, é permitida a anteposição da preposição a ao objeto direto quando ele é constituído de palavras como todos, quem, ambos etc. Essas e as demais possibilidades são esquematizadas abaixo.
 
O objeto direto pode ser precedido de preposição: 
 
1. Quando tem como núcleo nome personativo:
     Judas traiu a Jesus.
 
     Na escola aprendia-se a amar a Deus e à Pátria.
 
     Estimo a Leandro, meu sobrinho.
 
2. Quando se constitui de pronome pessoal tônico (neste caso, obrigatoriamente) ou dos pronomes todos, quem, outro, ninguém:
     O benefício atingiu a nós e não a vocês.   [Caso de pronome pessoal tônico. O átono seria: atingiu-nos]
 
     Não amou a ninguém; quis a todos; desejou a quem desdenhava.
 
     As mulheres deviam apoiar não só a mim mas a outras mulheres.
 
3. Quando é objeto direto o numeral ambos
     A chuva molhou a ambas.  
 
     Vi a ambos no trem rumo a Salzburg. 
 
4. Quando o objeto direto vem antecipado:
     Ao inimigo não se poupa.
 
     Ao cliente ele explora vergonhosamente. [Compare: Ele explora o cliente sem dó.]
 
5. Para evitar ambiguidade (mesmo que puramente teórica):
     Trata o rapaz como a um filho.  [Sem preposição a frase poderia ser interpretada assim: Trata o rapaz como um filho (trata o rapaz)].
 
6. Nas construções paralelas, quando não se repete o verbo:
     “Conheço-os e aos leais.”   [Compare: Conheço-os e conheço os leais.]
 
     Senhor diretor: devo avisá-lo e aos seus funcionários que o projeto está pronto.
 
     Os profissionais foram distribuídos por diferentes lugares, sem que se possa precisá-los e às datas.

download PDF

<< voltar

Instituto Euclides da Cunha
Luiz Fernando de Queiroz, diretor
Rua Marechal Deodoro, 235 cj. 1204 - CEP 80020-907 - Curitiba - PR
Fone (41) 3223.6543 - linguabrasil@linguabrasil.com.br