<< voltar

Número: 273
Data: 08/03/2017
Título: O NÃO USO DA CRASE NAS GENERALIDADES

 --- O correto é “crédito sujeito a  ou à aprovação”? Sérgio Schüler 

 

--- Minha consulta é sobre o emprego da crase nos dois casos abaixo: 1 – Descumprimento de ordem judicial pode levar prefeito à condenação. 2 – O prefeito está respondendo a ação penal no TRE. Rui Zilnet, Rio de Janeiro/RJ
 
Entre os usos proibidos da crase, consta que não se usa o a craseado diante dos pronomes em geral, que repelem o artigo e portanto configuram termos indefinidos, e diante de substantivo feminino usado em sentido geral e indeterminado. Isso acontece porque a crase só tem cabimento diante de palavras femininas determinadas pelo artigo definido a ou as.
 
Às vezes – principalmente quando o contexto deixa margem a dúvidas – é preciso tirar a prova dos nove imaginando uma palavrinha indefinida na frente do substantivo em questão. Se ela pode ser usada, significa que o a que se encontra ali é apenas uma preposição, e não um a craseado. Usando as frases dos consulentes, o exercício mental é o seguinte: 
 
Descumprimento de ordem judicial pode levar prefeito a [uma/alguma] condenação.
 
O prefeito está respondendo a [uma] ação penal no TRE.
 
Crédito sujeito a [uma/qualquer] aprovação.
 
Bastaria, no entanto, que a aprovação (para tomar como exemplo a última frase) viesse determinada para que a crase fosse usada: “Crédito sujeito à aprovação da diretoria”. Da mesma forma: 
 
Programa sujeito a confirmação.
 
Planos sujeitos a alteração
 
A proposta do sindicato foi submetida a votação.
 
Cardeal submetido a cirurgia do coração.
 
Porém:
 
Programa sujeito à confirmação estabelecida na Portaria n° 020/15.

Planos sujeitos à alteração proposta anteriormente pela minoria. 

A proposta do sindicato foi submetida à votação do plenário.

O cardeal será submetido hoje à cirurgia do coração prevista para ontem.
 
Nas manchetes de jornais aparecem muito as frases sem tal crase, pois na chamada da notícia o substantivo em foco ainda não foi determinado. É o caso específico da manchete Bomba explode em frente a escola. Qual escola? Ainda não se sabe. Somente no texto que se segue é explicitado: Uma bomba feriu ontem quatro policiais que trabalhavam em frente à escola Colombina, localizada no condado etc.
 
Vejamos outras frases em que se subentende uma palavra indefinida diante de um substantivo que à primeira vista parece dever ser craseado:
 
TRF antecipará pagamento a credora do INSS que sofra de doença grave.    [qualquer uma]
 
Aposentou-se para dar lugar a gente nova [ = a pessoas novas]
 
A sociedade sabe que a tapeação é generalizada e que isso não levará a boa coisa. [ = a nenhuma boa coisa]
 
A hidrolipoaspiração permite a retirada de gordura sem necessidade de o paciente ser submetido a transfusão de sangue. [ = a uma transfusão de sangue]
 
É bom notar que muitas vezes a ideia de generalidade é dada pelo mero uso do plural:
 
É um homem pouco afeito a cortesias.

No relatório foi esquecido o item “subvenção a instituições culturais”.
 
TRF antecipará pagamento a credoras do INSS que sofram de doença grave.
 
Assista a estreias do jeito que uma estreia deve ser assistida.
 
As declarações foram apresentadas fora de contexto, servindo a conclusões preconcebidas.

 


download PDF

<< voltar

Instituto Euclides da Cunha
Luiz Fernando de Queiroz, diretor
Rua Marechal Deodoro, 235 cj. 1204 - CEP 80020-907 - Curitiba - PR
Fone (41) 3223.6543 - linguabrasil@linguabrasil.com.br