<< voltar

Número: 270
Data: 15/02/2017
Título: COLOCAR UMA QUESTÃO, OBEDECIDO, (ES)TIVESSE, PODIA, PODERIA

 --- A palavra "colocação" no sentido de sugerir uma ideia ou opinião está correta? Por exemplo: Eu quero dar (fazer) uma colocação em relação ao assunto. Eugênio C. Stramosk, Rio do Sul/SC

 

Não se trata de ser correto ou não, mas sim de estilo. Em “quero fazer uma colocação", a impropriedade estaria no uso da palavra colocação no lugar de "afirmação ou manifestação, apresentação, exposição (de fatos ou ideias)”.  Também é criticado o uso do verbo colocar (uma questão). Todavia, os dicionários lhe dão igualmente o sentido de “trazer à baila, propor, aventar, apresentar, expor”. Isso quer dizer que errado não é. 
 
Para expressar-se sem o emprego abusivo de colocar, especialmente em textos mais formais e monitorados, há opções: “Gostaria de falar /comentar /afirmar /dizer /mencionar /comunicar  /aduzir /informar /anotar /observar /registrar” etc. Ou, para o caso trazido pelo consulente: “Quero me manifestar sobre o assunto /quero fazer uma observação /quero expor ou apresentar uma ideia em relação ao tema” e assim por diante. 
 
 
--- É correto usar o acento indicador de crase em frases nas quais apareçam verbos transitivos indiretos no particípio? Ex: obedecidas às normas regimentais. Marcelo Martins, Bragança Paulista/SP
 
Não se coloca o acento indicativo de crase, não, pois aí o verbo é usado transitivamente (no caso, as normas é o sujeito passivo de obedecidas). O emprego de obedecer na voz passiva é uma reminiscência dos tempos em que ele era transitivo direto. Escreva, portanto, sem crase: “obedecidas as normas regimentais /foram obedecidas as instruções /as instruções devem ser obedecidas”. 
 
O verbo assistir é parecido, pois pela norma-padrão se escreve “assiste-se a bons filmes”, e no entanto é possível usá-lo na voz passiva: “o filme foi assistido por milhares de pessoas”.
 
 
--- Eu gostaria de saber como se usa corretamente tais verbos: tivesse e estivesse. Luis Antônio, São José do Rio Preto/SP
 
Apesar de na fala as duas formas parecerem iguais, há uma boa diferença entre elas, que deve ser observada na escrita. Tivesse é o pretérito imperfeito do subjuntivo (que exprime uma condição) do verbo TER, enquanto estivesse é do verbo ESTAR. Eles podem ser usados como verbo principal ou como auxiliar:
 
Eu alugaria mais filmes se tivesse um DVD.
 
Se ela tivesse ouvido seus conselhos, não estaria hoje em maus lençóis.
 
Ele disse que iria ao Pão de Açúcar quando estivesse em boa forma.
 
Se seu irmão estivesse aqui hoje, ele certamente não aprovaria sua atitude.
 
Ela não teria batido a cabeça se estivesse dirigindo com o cinto de segurança atado. 
 

--- Qual é a diferença que existe entre podia e poderia? Maurício Picolo Catelli, Caxias do Sul/RS
 
A forma podia pertence ao pretérito imperfeito do modo indicativo, que designa um fato passado mas não concluído, dá ideia de continuidade, de processo que no passado era constante:
 
Naquela época, eu podia ir lá todos os dias.
 
A menina nunca podia brincar no pátio, a mãe não deixava.
 
Poderia faz parte do futuro do pretérito do indicativo, que é o nosso condicional e exprime dúvida, probabilidade, suposição sobre fatos passados:
 
Se ele quisesse, tudo poderia ser diferente.
 
Não sei se eu poderia ir com você...
 
Acontece que na linguagem falada, provavelmente por comodidade, costumamos dizer podia no lugar de poderia. No português de Portugal, aliás, este uso do imperfeito pelo futuro do pretérito é bastante comum. Vale o mesmo para devia/deveria.

download PDF

<< voltar

Instituto Euclides da Cunha
Luiz Fernando de Queiroz, diretor
Rua Marechal Deodoro, 235 cj. 1204 - CEP 80020-907 - Curitiba - PR
Fone (41) 3223.6543 - linguabrasil@linguabrasil.com.br