<< voltar

Número: 268
Data: 01/02/2017
Título: SOBRE O VERBO HAVER (2)

 Reportando-me ainda a duas frases mencionadas pelo consulente na semana passada, lembro que os auxiliares ter e haver quando seguidos da preposição de formam locuções verbais com sentidos diferentes entre si:

 

a) HAVER DE expressa intenção, promessa:
 
Hei de comprar um carro 0 km. Hei de fazer a prova amanhã.
 
Por que haveríamos de nos preocupar em agir bem se não tivéssemos algum apoio para dizer que amanhã será melhor do que hoje?
 
O direito à diversidade haverá de tirar nossa possibilidade de exigir do outro que é diverso o mesmo que exigimos de nós próprios.  
 
b) TER DE (ou ter que, modernamente) dá ideia de obrigatoriedade, necessidade:
 
Lamentavelmente tenho de lhes dizer que seu crédito foi cortado.
 
Temos que assumir o peso de decidir o que vai valer e o que não vai valer em nossa inevitável convivência humana.
 
II - O verbo haver também pode ser usado como IMPESSOAL, sem flexão de número-pessoa, isto é, ele permanece na 3ª pessoa do singular seja qual for o tempo e modo verbal. Neste caso, tem as significações de:
 
1. existir 
 
A ética é o reconhecimento de que somos indivíduos porque outros indivíduos.
 
O pior, talvez, seja não o fato de haver concentração de renda, mas o fato de que se considere isso normal, banal, inevitável.
 
2. acontecer, realizar-se:
 
Houve mais dois simpósios para discutir o tema.
 
3. decorrer, ter passado (tempo):
 
No campo filosófico o debate está aceso há vários anos.
 
Faz tempo que não a vejo, pois há dias não vem trabalhar.
 
Vale observar que, neste caso 3, haver comuta com fazer, sendo opcional o uso da partícula que quando a expressão de tempo vem no início da oração:  
 
No campo filosófico o debate está aceso faz vários anos.
 
Há tempos [que] não a vejo, pois faz dias [que] não vem trabalhar.
 
Ainda com relação aos itens 1 e 2, vale comentar a vacilação que ocorre, principalmente na oralidade,  no uso das formas impessoais (sem concordância) nos tempos pretéritos e futuros. Há uma tendência dos falantes a pessoalizar o verbo haver como se faz com seus sinônimos. Assim, por exemplo, é possível ouvir, mesmo de pessoas cultas, “haviam gigantes, haverão dois simpósios”, dada a analogia com “existiam gigantes, acontecerão dois simpósios”. Todavia, a norma-padrão exige a não flexão: “havia gigantes, haverá dois simpósios”. Escrever do outro modo é incorrer em críticas, certamente.
 
Em termos de análise sintática, o que se dá com existir e acontecer é que a coisa existente ou acontecida é o sujeito da oração (gigantes existiam, simpósios acontecerão), ao passo que com haver a coisa existente é o objeto direto. Sendo o verbo haver impessoal neste caso, não existe sujeito, e não havendo sujeito não há por que flexionar o verbo.

download PDF

<< voltar

Instituto Euclides da Cunha
Luiz Fernando de Queiroz, diretor
Rua Marechal Deodoro, 235 cj. 1204 - CEP 80020-907 - Curitiba - PR
Fone (41) 3223.6543 - linguabrasil@linguabrasil.com.br