<< voltar

Número: 104
Data: 23/10/2019
Título: REGÊNCIA: AGRADAR, CONSPIRAR, GOSTAR, VENCER

--- Consulta: regência do verbo agradar, haja vista que tenho encontrado divergência nas gramáticas. Pedro Tenório Sousa, Maceió/AL


Divergência, neste caso, significa que há multiplicidade de uso. “A regência, como tudo na língua, a pronúncia, a acentuação, a significação, etc., não é imutável. Cada época tem sua regência, de acordo com o sentimento do povo, o qual varia, conforme as condições novas da vida”, já dizia o filólogo e dicionarista Antenor Nascentes em 1960.
 

E agradar é um dos verbos que Celso Luft usa justamente para exemplificar a evolução da regência verbal pela alteração dos traços semânticos ou de significado: “Agradar a alguém, agradar-lhe torna-se agradar alguém, agradá-lo, certamente por efeito de sinônimos como ‘contentar, satisfazer’, ‘alegrar, deleitar’, e obviamente prescinde de preposição com o traço de ‘acarinhar, mimar’, de um uso popular deste verbo”.


Em resumo, pode-se usar corretamente o verbo agradar como pronominal, intransitivo, transitivo direto ou transitivo indireto, todos devidamente dicionarizados:


Agradou-se da moça à primeira vista.

A festa não agradou, embora o anfitrião tivesse feito tudo para agradar os convidados.

A infraestrutura das praias agradará os/aos turistas.

Nada agrada aos mais exigentes.

Adquire a qualquer custo algo que lhe agrade.

Quisemos agradá-lo, mas não houve jeito.


--- É possível a utilização do verbo conspirar no sentido de algo bom? O Aurélio estaria correto ao exemplificar que “tudo parecia conspirar para a sua felicidade”? É correto dizer que “os astros conspiram a nosso favor”? Não seria uma inversão de sentido? José Roberto, Rio de Janeiro/RJ


De “tramar, planejar ou concorrer para uma conspiração”, o verbo conspirar passou a designar também “concorrer para algum fim” ou, em outros termos, “tender ao mesmo objetivo”; enfim, “contribuir”. O que muda é a regência: a preposição contra sempre traduz um fator negativo: Ele conspira contra qualquer iniciativa, contra nossos ideais; as preposições para, em ou a podem ser usadas em qualquer situação: Conspira para sua felicidade / conspira a seu favor / conspira em prejudicar seus interesses / conspira para obter os melhores resultados.

Há estudiosos que asseveram não ser correto alterar o significado original para "a favor" porque, com base na derivação latina (do verbo spiro,as,avi,atum,are, precedido da preposição contra, significando "soprar contra", contra-inspirare, "conspirare"), isso configuraria um contrassenso. “Quem conspira sempre planeja ações contra alguém ou algo, jamais a favor, sendo forçada a significação de conspirar a favor”, diz um deles, e o Dicionário Houaiss corrobora esse fato ao não registrar as acepções positivas.

O fato é que Francisco Fernandes (Dicionário de Verbos e Regimes, 1958) consignava no verbete conspirar o sentido de “concorrer, tender (ao mesmo fim)”, e daí para “concorrer ou contribuir para uma coisa boa” foi um pulo! Em todo caso, recomendo que esta última acepção fique restrita à linguagem coloquial.


--- Gostaria que ou de que você...? Quando não se usa a preposição para atender à regência do verbo? Célia Cândido da Silva, Curitiba/PR


O verbo gostar, ninguém tem dúvida, pede a preposição de: Gosto de vocês. Gostaria de tomar água de coco. Entretanto, a sequência gostar de que permite deixar a preposição de fora, porque frases como Gostaria que você fosse pontual ou Ela gosta que a elogiem soam melhor do que Gostaria de que você fosse pontual ou Ela gosta de que a elogiem.


--- Tenho dúvida, quase certeza, de que estão erradas as expressões abaixo. Por favor julguem-nas: O São Paulo venceu ao Palmeiras. A bola passou por sobre o gol. André Luís, São Paulo/SP


Você tem razão no primeiro caso, pois o correto é “O São Paulo venceu o Palmeiras”.


No segundo, é preciso jogo de cintura. Em português (embora não tanto como no inglês), também se vê uma preposição regendo outra em certos casos de ênfase ou maior definição. A prep. por exprime, entre outras coisas, ideia de percurso, e quando esse percurso se dá sobre a trave, é possível deixar isso bem claro: a bola passou por sobre o gol. Outros exemplos de dupla preposição:


Passou por entre a ramagem.

Mergulham e desaparecem por sobre o imenso telheiro.

O terreno lhe foge de sob os cascos.

Passou por detrás do galpão.

Cumpre seus deveres para com a religião.


download PDF

<< voltar

Instituto Euclides da Cunha
Luiz Fernando de Queiroz, diretor
Rua Marechal Deodoro, 235 cj. 1204 - CEP 80020-907 - Curitiba - PR
Fone (41) 3223.6543 - linguabrasil@linguabrasil.com.br