<< voltar

Número: 094
Data: 14/08/2019
Título: UM SEM-NÚMERO DE POSSIBILIDADES

Voltam à baila os compostos com o prefixo SEM, de que começamos a falar na coluna Não Tropece na Língua 89 (“sem-terra invadiram”). Pedem-me que esclareça, com mais exemplos, as duas maneiras como esse tipo de vocábulo é tratado na língua portuguesa. Desconheço qualquer regra formalmente estabelecida nos livros, mas tento formalizar uma distinção pelo que aprendi com Celso Luft e pelo pouco que encontrei em cada dicionário.


I - NÃO flexionam em gênero e número os substantivos e adjetivos formados com o prefixo sem que dizem respeito a pessoas, isto é, em que na frase está implícito ou explícito um substantivo como “indivíduo, homens, mulheres, agricultor(es) etc.” São termos comuns nos meios de comunicação. Seguem exemplos de todos aqueles já dicionarizados:


Os trabalhadores sem-terra querem seu quinhão.

Todos os sem-pão estão subnutridos.

A maioria dos sem-dinheiro declinou do emprego.

Não há esperança para os sem-luz.

Esperamos que os sem-lar superem suas dificuldades.

Os sem-teto acamparam em frente ao palácio.

O ministro fez promessas aos sem-trabalho.

As sem-família votaram contra.

Muitos modelos sem-nome se transformam em atores sem-sal.

Que gente sem-vergonha! São sem-palavra!

O pior de tudo é ser sem-amor.


II – Podem ser variáveis os substantivos e adjetivos que se referem a atos e fatos. Ou seja: alguns flexionam no plural, outros não; quanto a gênero, há variedade de casos. A maioria é de uso raro – deixo, por isso, de dar exemplos em orações; apenas anoto o significado ao lado.


NÃO têm plural:


Sem-número [quantidade indeterminada]
Sem-par [ímpar, sem igual] – “dificuldades sem-par”
Sem-pudor [despudor]
Sem-pulo [chute]
Sem-ventura [desventura]


TÊM plural:


Sem-cerimônia [informalidade, falta de modos]
Sem-cerimonioso [mal-educado]
Sem-fim [vastidão] – “nos sem-fins das chapadas”
Sem-gracice [insipidez]
Sem-justiça [injustiça, ato injusto]
Sem-razão [desarrazoado, desrazão, injúria]
Sem-segundo [único, singular]
Sem-termo [vastidão]
Sem-vergonhice ou sem-vergonhismo [mau-caratismo]


Obviamente há certas incoerências (não me culpem por elas!) que tornam o assunto espinhoso. Para finalizar, um exemplo que corrobora esse comportamento diverso entre pessoas e fatos. O substantivo “sem-justiça” [Não me conformo com tantas sem-justiças] ficaria invariável se se referisse às pessoas desamparadas pela Justiça: “Os sem-justiça do Nordeste estão pensando em reclamar ao bispo”.


download PDF

<< voltar

Instituto Euclides da Cunha
Luiz Fernando de Queiroz, diretor
Rua Marechal Deodoro, 235 cj. 1204 - CEP 80020-907 - Curitiba - PR
Fone (41) 3223.6543 - linguabrasil@linguabrasil.com.br