<< voltar

Número: 064
Data: 13/02/2013
Título: PRONOME SE E INDETERMINAÇÃO DO SUJEITO

Vejamos, na sequência de artigos, os casos em que o verbo acompanhado do pronome se não configura voz passiva e, portanto, não se pluraliza. Isso acontece com os verbos (1) intransitivos; (2) transitivos indiretos e (3) verbos de ligação. São verbos que, não tendo um objeto direto, não admitem a construção passiva. Neste caso o sujeito é indeterminado, representado então pelo pronome se, que se chama “índice de indeterminação do sujeito”. E o verbo fica sempre na 3ª pessoa do singular, impessoal, pois aí ele não tem com quem concordar.


1) Intransitivos são os verbos que não precisam de complemento/substantivo; geralmente são acompanhados de um adjunto adverbial ou predicativo. Exemplos de verbos intransitivos usados impessoalmente (o sujeito é indeterminado):


Trabalhou-se demais naquela época.

Vive-se bem quando se tem paz de espírito.

Errou-se no julgamento uma vez; não se errará mais.

É fato sabido que se come mal quando se come às pressas.

Cantou-se, dançou-se e bebeu-se muito nos anos 60.


2) Transitivos indiretos são os verbos que requerem um complemento regido de preposição. Então, ao ver o complemento/substantivo com a partícula SE acompanhada de uma preposição, você já sabe que não deve pluralizar o verbo mesmo que esse substantivo esteja no plural, justamente porque aí ele não é o sujeito do verbo, mas sim o objeto indireto:


Trata-se de um caso inédito. Trata-se de casos inéditos.

Assim, acaba-se com o intermediário. Assim, acaba-se com os intermediários.

Precisa-se de balconista com prática. Precisa-se de balconistas com prática.

Convém que se proceda a uma nova sindicância. Convém que se proceda a novas sindicâncias.

Confia-se em qualquer pessoa. Confia-se em todas as pessoas.


3) Também com os verbos de ligação ser e estar o pronome se marca a indeterminação do sujeito:


No momento em que se é criança, tudo parece fácil.

Quando se está bem de saúde, a vida fica mais leve.


Para solidificar o aprendizado e aguçar a percepção dos verbos preposicionados, observemos mais algumas frases construídas com verbos transitivos indiretos e complemento no plural cujo sujeito é indeterminado:


Acabou-se, finalmente, com os mosquitos.

No último festival de cinema assistiu-se a dublagens bem-feitas.

Necessita-se, urgente, de mais verbas.

Ou se desmonta a inflação ou se chegará aos tempos em que restos de comida valerão mais do que um prato cheio.

Não se obedece às normas de trânsito como se devia.

Naquele departamento responde-se a cartas comerciais.

Procedeu-se, de imediato, às apurações dos votos.

No voleibol usa-se de vários artifícios para segurar a partida.

Dizem que na próxima gestão se acabará com todas as regalias.

Depende-se dos outros como eles dependem da gente.
 


download PDF

<< voltar

Instituto Euclides da Cunha
Luiz Fernando de Queiroz, diretor
Rua Marechal Deodoro, 235 cj. 1204 - CEP 80020-907 - Curitiba - PR
Fone (41) 3223.6543 - linguabrasil@linguabrasil.com.br