<< voltar

Número: 132
Data: 04/06/2014
Título: CONHECER, PISAR, AVISAR

--- Nos tribunais, é usual dizer: “não conhecer do recurso” no sentido de não admitir, não ser recebido para discussão do mérito. Pode ocorrer por ser inadequado, intempestivo, ou porque não foi recolhida a quantia do denominado “preparo”. Comenta-se que no STJ ocorreu grande polêmica a respeito dessa expressão e por isso formulo a consulta: a) não conhecer do ou o recurso? T.N.V., Florianópolis/SC


O verbo conhecer, nos seus significados mais comuns de “saber, ter ideia, informação, consciência ou experiência, apreciar, conviver com”, é transitivo direto, ou seja, é usado sem nenhuma preposição; neste caso o pronome objeto é o/a, e não lhe:


Conheço bem os seus defeitos.

No ano passado conhecemos o sul da Espanha.

Já não a conheço?

O desembargador conhece Português como poucos.

Vou assistir, em Porto Alegre, à conferência de Maffesoli, pois eu o conheci em Paris há dois anos.


É igualmente possível usar o verbo conhecer como transitivo indireto, preposicionado – porém com o sentido mais restrito de “informar-se, procurar saber”:


Precisamos conhecer das condições de venda do imóvel.


E também, na área jurídica, usa-se “conhecer de” significando “ter (juiz ou tribunal) competência para intervir num processo; tomar conhecimento de uma causa ou recurso e dar-se competente para julgá-la”, conforme palavras dos dicionários; ou “não conhecer de” com o sentido explicitado pelo leitor catarinense:


O juiz decidiu conhecer do pedido.

O Supremo não conheceu do recurso.

Nos termos do voto do relator, à unanimidade, conheceram do recurso para negar-lhe provimento.


--- Qual a expressão correta: Não pise na grama / a grama / à grama. Esta última me pareceu bastante estranha, mas foi vista no jardim de um órgão público federal. Ednaldo João Ariane Silva, Salvador/BA


O verbo pisar, no sentido de “pôr os pés no chão, andar, caminhar”, pode ser tanto transitivo direto quanto indireto, com a preposição EM. Isso significa que a prep. A, no caso de “à grama”, foi mal empregada. É possível dizer:


Pisar a grama ou Pisar na grama.

Pisar as flores.

Pisar nos amores-perfeitos.

Pisar em ovos.

Pisar nos calos.


--- Qual a regência do verbo avisar? Verônica Hirata, Cuiabá/MT


A construção originária é avisar alguém (de alguma coisa):


É bom avisá-la do perigo.

Bem que eu a avisei, Marcela.

Avisamos os clientes da mudança de endereço.

Não saia sem avisar seus pais.

Ninguém me avisou disso.

O chefe avisou os funcionários de que os documentos estavam prontos.


Entretanto, já tem tradição na língua o uso de avisar com objeto indireto de pessoa e direto de coisa, por analogia com os verbos dizer e comunicar


Avisamos aos nossos clientes que vamos atendê-los em novo endereço.

Eu lhe avisei a data da reunião.


Também são usadas as preposições para e sobre:


Avisei os amigos sobre os problemas pendentes.

O médico avisou o menino para largar o cigarro.


download PDF

<< voltar

Instituto Euclides da Cunha
Luiz Fernando de Queiroz, diretor
Rua Marechal Deodoro, 235 cj. 1204 - CEP 80020-907 - Curitiba - PR
Fone (41) 3223.6543 - linguabrasil@linguabrasil.com.br