<< voltar

Número: 295
Data: 12/10/2011
Título: MERITOCRACIA, TUDO O QUE, À OUTRA

--- O que quer dizer meritocracia? Ana Lúcia França Teixeira, Salvador/BA


O sufixo -cracia (usado em democracia, aristocracia) quer dizer "força, poder, autoridade". Portanto, a palavra "meritocracia" denota a força do mérito, daquilo que é meritório. Em outros termos, o que vale é o merecimento próprio, e não a herança, o dinheiro, o "ser filho de papai"... Exemplo autoelucidativo:


Disse Ioschpe: “Temos de ter um sistema de meritocracia: se as vagas são tão poucas, que sejam para os melhores”.


De meritocracia deriva o adjetivo meritocrático e outro substantivo – meritocracismo, em que o sufixo “ismo” está indicando a “maneira de proceder ou de pensar”:


A Reforma de 1971 teve como objetivo principal a autorrealização, a qualificação para o trabalho e a preparação ao exercício consciente da cidadania, associando a perspectiva meritocrática com os fins do projeto político e econômico do Estado.

A admissão de alunos pobres tornava evidente a vontade de associar princípios de legitimação aparentemente contraditórios, como o “aristocratismo de nascença” e o “meritocratismo do sucesso escolar”, que rende culto ao dom e às aptidões pessoais.


--- Dispomos de “tudo que há de mais moderno ou de “tudo O que há de mais moderno”? O artigo é opcional? Tem alguma função sintática? C.E.F., São Paulo/SP


Nesse caso o “o” não é artigo, mas pronome demonstrativo neutro (cf. Não Tropece na Língua 031), exigido na escrita, conforme a norma gramatical (na fala, pode haver a contração das vogais: tudo o que – tudoo que – tudo que). Tomemos duas frases de exemplo:
                          1) Dispomos de tudo o que há de mais moderno.
                          2) Li tudo o que você escreveu.


Aí o pronome demonstrativo “o” substitui outros demonstrativos:
                          3) Dispomos de tudo aquilo que  há de mais moderno.
                          4) Li tudo isso que você escreveu.


No período (1), o pronome “o” é o objeto indireto de dispomos; no (2), o objeto direto de li. Tudo é pronome adjetivo indefinido. Que é pronome relativo, tendo por antecedente o “o” da oração anterior.


--- Gostaria de saber, por gentileza, se diante do pronome “outra” ocorre crase. Nilson


Pode ocorrer, sim.  Depende da determinação do substantivo que o pronome “outra” acompanha, esteja esse substantivo implícito ou aparente no período. Quando você fala genericamente “de outra” entre diversas, não pode haver crase. Quando se trata “da outra” – que se coloca em contraposição a uma primeira –, há crase. Por exemplo:


Vive de uma bodega a outra.  [são várias bodegas]

Andou de uma a outra cidade como se nada fosse.


Mas: 


Foi católico e protestante. Passou de uma religião [a católica] à outra [a protestante] em pouco tempo.

Isso significa que finalmente as duas mulheres começaram a se dirigir uma à outra do mesmo modo que às demais.

O produto só era vendido nas butiques GLEN e VIVA. Na primeira custava R$ 520,00, mas fui à outra loja e o encontrei por menor preço.


download PDF

<< voltar

Instituto Euclides da Cunha
Luiz Fernando de Queiroz, diretor
Rua Marechal Deodoro, 235 cj. 1204 - CEP 80020-907 - Curitiba - PR
Fone (41) 3223.6543 - linguabrasil@linguabrasil.com.br